domingo, 31 de maio de 2009

A caminho da viagem de finalistas


                                                                                 peace4ever.blogs.sapo.pt

Para além da curva da estrada 
Talvez haja um poço, e talvez um castelo, 
E talvez apenas a continuação da estrada. 
Não sei nem pergunto. 
Enquanto vou na estrada antes da curva 
Só olho para a estrada antes da curva, 
Porque não posso ver senão a estrada antes da curva. 
De nada me serviria estar olhando para outro lado 
E para aquilo que não vejo. 
Importemo-nos apenas com o lugar onde estamos. 
Há beleza bastante em estar aqui e não noutra parte qualquer. 
Se há alguém para além da curva da estrada, 
Esses que se preocupem com o que há para além da curva da estrada. 
Essa é que é a estrada para eles. 
Se nós tivermos que chegar lá, quando lá chegarmos saberemos. 
Por ora só sabemos que lá não estamos. 
Aqui há só a estrada antes da curva, e antes da curva 
Há a estrada sem curva nenhuma. 


Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos" 
Heterónimo de Fernando Pessoa

Viajar com jovens, na sua viagem de finalistas.... uma semana fora, curtir a praia, a novidade, o grupo.

O Adeus aos livros!

 
Recordam-se vocês do bom tempo d'outrora, dum tempo que passou e que não volta mais...quando tudo sorria sempre, mesmo quando os dias amanheciam cinzentos, para logo se inundarem  novamente de luz , quando os nos amigos apareciam em bandos.  
Os professores acompanham os estudantes nessas viagens, despem as suas capas de doutores, arrumam os livros, calçam sapatilhas e revisitam a suas passada mocidade!
Momentos  livres, dias de crescimento, lugares desbravados!!!
Estes projectos e as suas iniciativas têm de oferecer  vivências, que visem lançar os alunos, em fim duma fase da sua vida académica, para uma  experiência, que se guardará na  memória futura, como uma bela recordação da juventude essa mesmo, que só se vive uma vez!


Lembremos as palavras de David Mourão Ferreira,  consagrado e saudoso poeta da actualidade portuguesa.
Elas resumem tudo o que sentimos na flor da idade, num ambiente de verão:


"Jovens e nus frente ao mar, estão presentes em cada célula do seu corpo. Mas a vida que têm é demais para eles e não sabem que fazer dela. Emergem da água rutilantes e riem. Depois deitam-se na areia, gastam o dia e a noite a amar-se, a embebedar-se, a estoirar todo o prazer e forças que têm. E ficam ainda com vida por gastar. É desses sobejos já com bolor que terão de viver depois na velhice"
    

6 comentários:

  1. Se eu pudesse voltar atrás no tempo, percorria de novo a minha viagem de finalistas...que saudade!
    É aqui que eu verifico que o tempo voou!
    Boa viagem
    Vantoni

    ResponderEliminar
  2. Meg: sucesso na sua viagem...que os bons ventos tragam-lhe bem!!!
    Abraços diretamente do meu Cotidiano pra ti.

    ResponderEliminar
  3. Oi Meg, todos os momentos devem ser vividos como uma possibilidade de crescimento pessoal. Nossas experiências, novas pessoas novos sonhos.
    Tudo de bom e um abração.

    ResponderEliminar
  4. Viagem de Finalistas

    Depois de muitos anos uns, mais cedo outros, todos embarcaremos numa viagem de finalistas sem retorno. A viagem será mais ou menos tempestuosa conforme os passos que demos para a sua preparação. Muitos, talvez a maioria, não a preparou e partiu sem passaporte, sem adeus, sem “Até um dia…” Na minha vida já vi alguns finalistas partirem, uns tiveram tempo de se despedirem, outros não! Gostava de saber que, de certeza, os iria encontrar um dia quando chegasse a minha vez. Aí estaria ansiosa por os rever. Fazíamos uma grande festa e podíamos dar aquele abraço que ficou por dar. Imagino-me de malas cheias de fotografias, cartas, filmes, saudades dos que ficaram. E eles sorridentes, sem pressas, contentes por me verem, a mostrarem-me o campo de férias, o hotel, os jardins, os animais queridos que foram à frente e que nunca esqueci. Todos à minha espera, aos pinotes e a correrem de felicidade…

    ResponderEliminar
  5. "Conte a sua história ao vento,
    Cante aos mares para os muitos marujos;
    cujos olhos são faróis sujos e sem brilho.
    Escreva no asfalto com sangue,
    Grite bem alto a sua história antes que ela seja varrida na manhã seguinte pelos garis.
    Abra seu peito em direção dos canhões,
    Suba nos tanques de Pequim,
    Derrube os muros de Berlim,
    Destrua as catedrais de Paris.
    Defenda a sua palavra,
    A vida não vale nada se você não
    viver uma boa história pra contar."
    (Pedro Bial)

    Na impossibilidade de entrar em detalhes, como eu gostaria imensamente como todos amigos que tenho, venho trazer um pouco de poesia e desejar que seu domingo, sua nova semana seja de mil cores, que tenhas muitas alegrias!

    Um abraço

    Sônia

    ResponderEliminar
  6. "Sou um Zé Caeiro: poeta autodidacta, bancário reformado, média instrução, simplista conciso e que tem a mania do perfeccionismo..." Meu poema preferido de Alberto Caeiro "TU, MÍSTICO".
    Um bem-haja
    Zé Ernesto Gaia

    ResponderEliminar